Home Blog Pele

Pintas e lesões na pele: você sabe quais devem ser retiradas?

Postado em: 22 de May

Pintas e lesões na pele: você sabe quais devem ser retiradas? Pintas na pele: charme ou perigo à vista? Se você também tem esta dúvida, saiba que há sinais importantes a serem observados e que podem definir se a pinta, ou outra lesão sob a pele, é motivo de preocupação e se deve ser retirada....

continue lendo

Pintas e lesões na pele: você sabe quais devem ser retiradas?

Silicone e protese

Pintas na pele: charme ou perigo à vista? Se você também tem esta dúvida, saiba que há sinais importantes a serem observados e que podem definir se a pinta, ou outra lesão sob a pele, é motivo de preocupação e se deve ser retirada. O primeiro passo? Procurar um médico especialista para confirmar o diagnóstico.

De acordo com a dermatologista do Instituto Dermatológico de Curitiba (IDC) Karine Takizawa, nem todas as pintas ou lesões precisam ser removidas, porém, só com a avaliação médica é possível ter certeza.

“E isso deve ser feito no consultório, pois podemos analisar essas pintas ou lesões na pele com maior detalhe com auxílio de um aparelho chamado dermatoscópio, que nos fornece mais informações sobre aquelas que oferecem risco e que devem ser retiradas”, explica.

Silicone e protese

Analisando a pinta: regra “ABCDE”

Você já ouviu falar sobre a regra “ABCDE”? Este método é utilizado para auxiliar no autoexame das pintas. Confira como funciona e o significado de cada letra:

  • “A” – assimetria da pinta, ou seja, quando se imagina um corte ao meio da lesão e um lado não é parecido com o outro. Isso pode indicar a necessidade de retirada.
  • “B” – representa a presença ou não de bordas irregulares, que merecem atenção especial.
  • “C” – a variedade de cores, que também pode indicar a presença de um câncer de pele.
  • “D” – o diâmetro, que indica se se as lesões são maiores que 6 mm, tamanho considerado preocupante.
  • “E” – evolução da pinta, ou seja, as mudanças das suas características, como crescimento, sangramento, alteração de forma ou o surgimento de uma nova pinta.

Diante de qualquer uma dessas características, um médico especialista deve ser consultado.

Como tratar pintas ou lesões

A definição do tratamento mais adequado para os sinais ou pintas na pele só é realizada a partir de avaliação feita por médico especialista. Em caso de pinta ou qualquer lesão considerada suspeita, como a de um câncer de pele, o melhor tratamento é a excisão e sutura, na opinião da dermatologista Karine Takizawa.

Nestas situações, trata-se da remoção da lesão como um todo e do envio dessa lesão para o estudo histológico para verificar quais são os seus componentes.

“Apesar da cicatriz no local, a cirurgia de excisão e sutura é o melhor método para a análise a nível microscópico da lesão. Pode ser realizado sob anestesia local ou sedação a depender do local acometido e do tamanho da lesão. Exige-se cerca de quatro semanas de recuperação, maior cuidado com a ferida operatória, limpeza diária e curativos. O retorno deve acontecer entre 7 e 14 dias para a remoção de pontos”, detalha Karine.

Já para lesões de pele consideradas benignas, não há a necessidade de tratamento específico, segundo a médica. Elas podem ser removidas com um método sem corte, como a crioterapia ou a eletrocoagulação. “Nestes casos, normalmente a recuperação é mais rápida e menos dolorosa. Em aproximadamente duas semanas, o paciente está recuperado. A anestesia tópica ou local é o suficiente para a realização do procedimento”, descreve.

Sobre contraindicações, a dermatologista chama a atenção para o uso do eletrocautério, utilizado nos procedimentos médicos de eletrocoagulação ou para conter sangramentos em cirurgias maiores. “Não é contraindicado para quem usa marcapasso, mas deve-se ter um cuidado especial”.

Para os pacientes que irão se submeter a qualquer procedimento, Karine reforça a importância do aviso sobre medicamentos de uso contínuo e a possibilidade de alergia a qualquer substância química.

Silicone e protese

Outras lesões a serem retiradas

Não são apenas as pintas que devem ser avaliadas na consulta médica com o dermatologista. Há tipos de lesões na pele que também merecem atenção especial. Feridas que não cicatrizam, que sangram com facilidade e lesões causadas por vírus, como verrugas virais, são algumas delas.

“Aconselho sempre realizar a avaliação médica e o tratamento indicado. As lesões que nunca cicatrizam e que sangram com facilidade, por exemplo, já podem ser consideradas câncer de pele. Confirmando o diagnóstico, devem ser removidas. Já as de origem viral, como as verrugas virais, exigem tratamento para que não se propaguem”, orienta Karine Takizawa.

A dermatologista ressalta ainda outras lesões, como pólipos cutâneos, que geralmente afetam a região de pescoço, das axilas e das virilhas. Elas podem ser removidas no caso de incômodo estético ou até mesmo por sofrerem traumas repetitivos pelo atrito.

Estas são informações muito importantes em relação à saúde da sua pele, concorda? Se você está em dúvida sobre alguma pinta, lesão ou ferida no seu corpo, entre em contato com a nossa equipe e agende uma consulta com a Dra. Karine. Conte com a gente

Home Blog Corpo

As 8 principais dúvidas sobre prótese mamária de silicone

Postado em: 22 de May

As 8 principais dúvidas sobre prótese mamária de silicone De acordo com pesquisa da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) divulgada em dezembro de 2019, o Brasil está no topo do ranking mundial dos países que mais realizam cirurgias estéticas. Entre os procedimentos ma...

continue lendo

As 8 principais dúvidas sobre prótese mamária de silicone

Silicone e protese

De acordo com pesquisa da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) divulgada em dezembro de 2019, o Brasil está no topo do ranking mundial dos países que mais realizam cirurgias estéticas. Entre os procedimentos mais procurados, a colocação de prótese mamária de silicone está no topo da lista.

Indicado para tratar mamas pequenas, flácidas ou pouco projetadas, o aumento mamário com prótese promete trazer mais firmeza e melhor contorno aos seios, além de maior simetria ao corpo. A prótese é formada por uma cápsula externa e gel interno de silicone. Já as opções de formato, tamanho, método de colocação do implante e local da cicatriz são variadas, levando pacientes aos consultórios com inúmeras dúvidas sobre o procedimento.

“Apesar do grande número de cirurgias de colocação de prótese mamária de silicone realizadas pelo país, os questionamentos são frequentes no consultório. Desde se a paciente realmente deve colocar a prótese até quanto tempo levará para voltar à rotina”, explica a médica cirurgiã plástica do Instituto Dermatológico de Curitiba Priscilla Balbinot.

De acordo com a especialista, a conversa entre paciente e cirurgião plástico antes de se decidir pela colocação ou não do implante é extremamente necessária. Ela é determinante para responder as principais perguntas e para que o resultado esperado possa ser alcançado.

Para auxiliar com informações relacionadas à prótese mamária e sua colocação, Priscilla elencou as oito principais dúvidas recebidas em seu consultório. Acompanhe!

1. Como definir o melhor tamanho e o formato da prótese

Alguns fatores são levados em conta, como formato e volume da mama, quantidade de glândula mamária existente e desejo da paciente. O volume é muito relativo (300 ml para uma paciente pode ficar exagerado e, para outra, pode ficar pequeno). Procuro conversar longamente, fazer medidas do tórax e das mamas, usar medidores chamados de “mama sizers” e até simulação virtual.

2. Técnica a ser aplicada

Cada paciente pode ser submetida a uma técnica, conforme o seu caso. Existem dois grupos de cirurgia de mama com prótese: mamoplastia de aumento (colocação de prótese sem necessidade de elevação da mama) e mastopexia de aumento (é necessário elevar aréola e mamilo e retirar pele. As cicatrizes resultantes são periareolar, em L, em T invertido etc.).

Costumo dizer que não há técnica melhor ou pior, assim como local de cicatriz mais indicado. Apresento os prós e contras de cada um. Além da cicatriz, outro ponto importante a ser discutido é o local de colocação da prótese (plano submuscular, plano subfascial, plano subglandular ou mesmo o dual plane – parte na frente e parte atrás do músculo peitoral maior). O plano que mais gosto é o subfascial, que é intermediário. Na cirurgia, colocamos a prótese abaixo da fáscia do músculo peitoral maior, que é uma “membrana” firme que recobre o músculo.

3. Locais e tipos de cicatriz

O local de incisão (cicatriz) mais comum é embaixo da mama (no sulco mamário), mas também utilizo muito pela axila ou pela aréola. As cicatrizes mais comuns são: no sulco inframamário (embaixo da mama), na região axilar e ao redor da aréola. Nos casos em que é preciso retirar pele e levantar a mama (mastopexia), podemos utilizar a cicatriz em T invertido.

Em consulta, avaliamos a anatomia da paciente. A maioria é candidata a pelo menos duas incisões. Apresento as vantagens de cada uma delas e decidimos em conjunto. Pelo sulco a recuperação é mais rápida e a cicatriz fica pouco aparente; pela axila não há cicatriz na mama; pela aréola podemos reposicionar aréola e mamilo.

4. Vantagens do uso do silicone

No Brasil, para cirurgia estética, utilizamos próteses cheias de silicone médico. Em outros países, podem ser utilizadas próteses vazias, que serão preenchidas de soro. Isso porque as brasileiras querem mamas com aspecto mais firme, que não é tão fácil com próteses salinas (aquelas cheias de soro). Mas o material indicado sempre é silicone de uma empresa confiável, certamente.

Silicone e protese

5. Possíveis contraindicações ou riscos

A maioria das pacientes é candidata sim a colocar prótese de mama. Em mulheres com mamas muito grandes, podemos utilizar o próprio tecido mamário em vez de retirá-lo e substituí-lo por uma prótese. As complicações mais comuns são hematoma (formação de coágulos/sangramento no pós-operatório recente) e contratura capsular (endurecimento por cicatrização ao redor do implante).

6. Cuidados no pré e pós-operatório

No pré-operatório, pedimos para hidratar bem a pele, além de exames como mamografia, ultrassonografia ou ressonância. No pós-operatório, solicitamos evitar levantar peso nos primeiros 30 dias. Movimentos de amplitude moderada e higiene liberal são liberados. A paciente deve evitar dirigir por 15 dias e usar sutiã modelador por três meses.

Entre 30 e 45 dias, liberamos para alguns esportes, mas peço de 60 a 90 dias para exercícios de peitoral. Cada caso é avaliado conforme o plano de colocação (subglandular, subfascial ou submuscular).

7. Troca de prótese

As próteses atuais são supermodernas e não exigem trocas em 10 anos, mas as pacientes com prótese devem ser acompanhadas com consultas anuais ou bianuais. Em 10 anos, se estiver tudo bem com a cirurgia, solicito uma ressonância magnética para checar como está a mama e o implante.

8. Amamentação X prótese de silicone

Dificilmente uma paciente que fez mamoplastia de aumento (só colocou a prótese sem precisar retirar glândula) tem dificuldade para amamentar, pois nessa técnica quase não há lesão de ductos mamários. Para casos de redução mamária de grande volume ou mastopexia em T invertido, pode acontecer sim uma dificuldade para amamentar.

Você tem mais alguma dúvida sobre o implante mamário de silicone? Entre em contato conosco pelo WhatsApp do Instituto Dermatológico de Curitiba e agende uma conversa com a Dra. Priscilla. Conte com a nossa equipe!

Home Blog Cuidados

Massagem relaxante para controlar ansiedade e estresse

Postado em: 06 de May

Massagem relaxante para controlar ansiedade e estresse Conheça as principais indicações e os benefícios da massagem relaxante Você sabia que uma massagem relaxante vai além de proporcionar um mero relaxamento? Em fases mais tensas, é comum que as pessoas fiquem mais ansiosas, estressadas ...

continue lendo

Massagem relaxante para controlar ansiedade e estresse

Conheça as principais indicações e os benefícios da massagem relaxante Massagem Relaxante

Você sabia que uma massagem relaxante vai além de proporcionar um mero relaxamento? Em fases mais tensas, é comum que as pessoas fiquem mais ansiosas, estressadas e até mesmo depressivas. Essas condições acabam sendo percebidas no organismo, muitas vezes, de forma despretensiosa. A ansiedade, por exemplo, pode chegar ao nível de afetar a saúde da pele, enquanto o estresse pode aumentar de forma significativa a queda de cabelo. Outros sintomas comuns são:

  • Falta ou excesso de apetite
  • Apatia
  • Insônia
  • Tremores
  • Sudorese
  • Irritabilidade
  • Enxaqueca
  • Dores e contraturas musculares

Nesses casos, além de procurar ajuda com um profissional, como psicólogo ou psiquiatra, é possível recorrer a técnicas que são benéficas e eficazes no tratamento de ansiedade, estresse ou depressão, como a realização de massagem.

A massagem relaxante, ao trabalhar o sistema circulatório, linfático e nervoso, causa mais que a sensação de bem-estar e relaxamento. Manter o hábito de realizar massagem uma vez por semana pode trazer resultados como

  • Diminuição da ansiedade e do estresse
  • Alívio de dores e tensões musculares
  • Auxílio no combate à insônia
  • Alívio de enxaquecas
  • Melhora da circulação sanguínea

No Instituto Dermatológico de Curitiba, nós utilizamos uma técnica de massagem relaxante manual com movimentos circulares em pontos específicos do corpo, proporcionando relaxamento muscular.

Outra técnica de massagem procurada e conhecida é a massagem modeladora, porém com uma proposta de movimentos mais intensos. Entre os benefícios da massagem modeladora estão: combater a flacidez, reduzir medidas, diminuir os sinais de celulites leves e moderadas, aumentar a oxigenação das células, modelar o corpo, diminuir inchaços causados por retenção de líquidos, entre outros. .

Massagem Relaxante

O que você acha de utilizar a massagem relaxante para combater ansiedade, estresse e até mesmo depressão? Fale conosco para saber qual é o tipo de massagem indicado para você. Nosso contato é: (41) 3324-8484.

Home Blog Pele

Pele manchada após o verão tem solução?

Postado em: 06 de May

Pele manchada após o verão tem solução? Saiba como eliminar as manchas causadas pelo sol Após o verão, é preciso lidar com as consequências da exposição solar inadequada, ou seja: manchas causadas pelo sol. As manchas na pele são distúrbios de pigmentação e também podem ser causadas por...

continue lendo

Pele manchada após o verão tem solução?

Saiba como eliminar as manchas causadas pelo sol Manchas de Sol

Após o verão, é preciso lidar com as consequências da exposição solar inadequada, ou seja: manchas causadas pelo sol. As manchas na pele são distúrbios de pigmentação e também podem ser causadas por alterações hormonais, predisposição genética ou até mesmo contato com substâncias de risco. Por isso, antes de qualquer coisa, é preciso saber qual é a origem das suas

Manchas causadas pela exposição solar

Nessa época do ano, as manchas mais comuns são aquelas causadas por uma exposição indevida ao sol, sem protetor solar e durante horários não aconselháveis. Essas manchas são chamadas de melanoses e são observadas com mais frequência em pessoas mais velhas – embora não tenham uma relação direta com a idade. Possuem tonalidade marrom, podendo ser escuras.

Pele exposta ao sol e manchas: cuidado!

Uma pele que foi exposta ao sol a longo prazo sem proteção merece um sinal de alerta. Neste caso, fique atento para mudanças no formato e na tonalidade de manchas e pintas já existentes, assim como para o surgimento de novas manchas na pele com característica assimétrica, bordas irregulares, crescimento progressivo, coceira ou dor. Estes podem ser sinais de câncer de pele.

Como tratar manchas causadas pelo sol?

As estações após o verão são ótimas para cuidar da estética facial. Existem vários tipos de manchas em diferentes níveis de gravidade, sejam elas causadas pela exposição solar ou não. Por isso, cada uma exige um tratamento especial. Procedimentos como peelings e tratamentos a laser estão dentro da gama de opções de cuidados.

Manchas de Sol

Agende já uma avaliação pelo WhatsApp 99 9980 552.Para saber qual é a solução para as manchas na sua pele, fale conosco! É ideal realizar uma avaliação para descobrirmos a origem delas e a melhor forma de tratá-las. Nosso contato é: (41) 3324-8484. Esperamos você!

Home Blog Tratamento

Laser e tratamentos estéticos

Postado em: 23 de March

Confira as principais formas de utilizar o laser em tratamentos estéticos O laser é uma tecnologia utilizada em diversos tratamentos. Com a diversidade de aparelhos disponíveis, é possível atingir áreas pequenas e grandes com a radiação eletromagnética produzida pelo laser. Confira ...

continue lendo

Confira as principais formas de utilizar o laser em tratamentos estéticos

Tratamento Laser

O laser é uma tecnologia utilizada em diversos tratamentos.

Com a diversidade de aparelhos disponíveis, é possível atingir áreas pequenas e grandes com a radiação eletromagnética produzida pelo laser.

Confira as possibilidades e tratamentos em que essa tecnologia é utilizada.

Remoção de tatuagem

O pigmento utilizado nas tatuagens é definitivo e pode ser removido apenas parcialmente. A remoção de tatuagem com laser é um procedimento lento, mas oferece resultados a longo prazo

Estrias

As estrias surgem após o rompimento das fibras elásticas que sustentam as camadas intermediárias da pele. Essa condição pode ser causada pelo ganho de peso, excesso de exercícios físicos, alterações hormonais, gravidez e/ou ressecamento da pele. Neste caso, o laser ajuda a minimizar a aparência das estrias através do estímulo da formação de colágeno.

Epilação

O laser também pode ser utilizado na remoção parcial ou completa de pelos. Ao contrário dos outros métodos de depilação, o laser não danifica a pele e oferece resultado a longo prazo.

Varizes

Varizes são veias dilatadas e deformadas que surgem, principalmente, nas pernas. A principal causa do aparecimento de varizes é o mau funcionamento das válvulas que impedem o retorno sangue aos pés

As varizes provocam deformações, inchaços e alterações na sensibilidade da pele. O tratamento pode ser com medicamento, cirurgia e laser.

Harmony XL

O Harmony XL tem uma plataforma multifuncional que permite a utilização do aparelho para tratar manchas, varizes, cicatrizes, acne, flacidez e até mesmo remover tatuagens.