Procedimentos de Cirurgia Plástica

Conheça todos os procedimentos

O IDC oferece cirurgia plástica estética ou reconstrutora com conhecimento especializado e usando uma criteriosa metodologia que visa garantir equilíbrio, harmonia e beleza para a satisfação e segurança do paciente.

Home Blog Dermatologia

Tudo o que você precisa saber sobre varizes e microvarizes

Postado em: 03 de August

Tudo o que você precisa saber sobre varizes e microvarizes Quem nunca se incomodou com varizes e microvarizes espalhadas pelas pernas e outras partes do corpo? Presentes em mais de 37% da população brasileira adulta, segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV),...

continue lendo

Tudo o que você precisa saber sobre varizes e microvarizes

Varizes

Quem nunca se incomodou com varizes e microvarizes espalhadas pelas pernas e outras partes do corpo? Presentes em mais de 37% da população brasileira adulta, segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), elas vão muito além de um desconforto estético e podem, sim, ser sinal de um grande e perigoso problema circulatório.

Mais comum em mulheres – 45% delas, também de acordo com a SBACV –, a doença merece atenção especial, já que pode gerar complicações graves, como trombose e úlceras, além de dores e inchaço. Um dos erros mais cometidos por quem apresenta o problema é a procura por tratamentos inadequados e profissionais não habilitados, que podem, inclusive, dar um diagnóstico incorreto do grau da doença.

“Tanto o angiologista como o cirurgião vascular são os profissionais especializados para o tratamento de varizes de membros inferiores, sendo o cirurgião o médico habilitado para realizar os procedimentos tanto cirúrgicos como ambulatoriais. Esses são os médicos especializados para fazer diagnóstico e tratamento adequados”, argumenta Ana Paula Nudelmann Gubert, cirurgiã vascular responsável pelo tratamento de varizes e microvarizes do Instituto Dermatológico de Curitiba (IDC).

Segundo ela, o tratamento mais assertivo para cada caso deve estar baseado em medidas que busquem a prevenção ou a recuperação da saúde, seja por meio de medicamentos, exercícios físicos ou mudanças de hábitos rotineiros. A partir disso, se avalia a necessidade do tratamento ambulatorial ou cirúrgico.

Como tratar varizes e microvarizes

Um dos tratamentos mais utilizados para varizes e microvarizes nas pernas é a escleroterapia, popularmente conhecida como “aplicação”. Vista de forma equivocada como um procedimento simples e apenas estético, quando não feito por profissional capacitado e de maneira correta pode piorar o quadro.

“O médico vascular é o profissional que estudou o sistema circulatório e que pode apresentar um diagnóstico detalhado da saúde vascular do paciente. Apenas ele poderá definir a melhor técnica a ser empregada em cada caso e realizar o procedimento com segurança”, afirma Ana Paula.

Ela explica que há três tipos de escleroterapia: a líquida, a com espuma e a com laser transdérmico. Confira como funciona cada um deles, de acordo com a cirurgiã vascular.

  • Escleroterapia líquida: procedimento para tratamento de telangiectasias, mais conhecido como “aplicação em vasinhos”, consiste na aplicação de uma medicação esclerosante nas microvarizes (telangiectasias) por meio de pequenas agulhas. O objetivo é a melhora da circulação, com o desaparecimento das microvarizes. Realizado por médico especialista em consultório, não requer repouso ou afastamento das atividades.
  • Escleroterapia com espuma: consiste na injeção de uma mistura de ar com líquido esclerosante, que se transforma em espuma e é injetado nas varizes. Também indicado para tratamento de varizes calibrosas, o procedimento pode, em alguns casos, substituir a cirurgia convencional. Assim que injetada a medicação, é iniciado um processo de reação química com a parede do vaso, sendo que a ação tem como objetivo o tratamento das veias dilatadas. Realizada com a ajuda de um aparelho de ultrassom, a escleroterapia com espuma pode ser feita em consultório e necessita de alguns cuidados, como uso de meia elástica. A substância mais utilizada no Brasil é o polidocanol, que, juntamente ao ar, se transforma em uma espuma e é injetado por meio de uma punção com uma pequena agulha dentro da veia.
  • Varizes
  • Escleroterapia com laser transdérmico: age nos microvasos por meio do aumento da temperatura de dentro do vaso com a emissão de uma luz. Dessa forma, ocorre a destruição e reabsorção do vaso pelo organismo. O calor emitido pelo laser faz uma pequena inflamação no local, determinando a obliteração, ou seja, o fechamento dos vasos desejados. Considerado um método mais moderno e menos invasivo, neste procedimento as veias são tratadas por meio de um dispositivo que emite calor, laser endovenoso ou radiofrequência.

Também é possível tratar com cirurgia convencional, na qual o cirurgião faz diversas incisões e retira as veias afetadas.

Varizes *Imagens retiradas do livro de Cirurgia vascular: Doenças Vasculares Periféricas, 5. Edição, 2016. Autor Francisco Humberto de Abreu Maffei.

Tipos de varizes e microvarizes

Antes mesmo de definir o tratamento mais assertivo a ser seguido, é necessário identificar os tipos de varizes ou microvarizes, os chamados “vasinhos”. Isso deve ser feito exclusivamente por um angiologista ou cirurgião vascular. De acordo com a cirurgiã vascular Ana Paula Nudelmann Gubert, existe uma classificação utilizada para doença venosa crônica denominada CEAP, organizada em termos decrescentes da gravidade da doença. Então, pode-se dizer que há seis “estágios” para a doença. Todas elas devem ser corretamente tratadas e, quanto antes, melhor o resultado do tratamento.

“O tratamento deve ser individualizado e iniciado o mais precocemente possível. Pode consistir inicialmente no uso de meias elásticas e flebotônicos, que são medicações para a melhora da circulação venosa da perna, bem como em medidas como mudanças de hábitos de dieta, atividade física regular e, até mesmo, a associação de procedimentos ambulatoriais e cirúrgicos para evitar a progressão da doença”, ressalta.

Conheça os tipos de varizes, de acordo com a classificação clínica, na explicação da médica.

  • Varizes classe 0 (C0): varizes não visíveis ou palpáveis.
  • Varizes classe 1 (C1): quando o paciente apresenta telangectasias, primeiro sinal de surgimento de varizes, que são os pequenos vasos finos arroxeados. Eles aparecem aos poucos e, se não tratados, vão se espalhando por toda a perna e coxa, dando um aspecto esteticamente incômodo. Podem ser acompanhados de queimação, dor e sensação de peso.

Quando se apresentam um pouco mais calibrosos, são chamados de veias reticulares. Mais esverdeadas e aparentes, já se apresentam como pequenas varizes. Nesse estágio, ainda é possível tratá-las clinicamente com aplicação de medicamentos dentro delas (escleroterapia) e/ou com o laser transdérmico, que promove uma reação física, térmica, favorecendo seu desaparecimento. Em casos especiais, às vezes é necessário operar.

  • Varizes classe 2 (C): as varizes com veias dilatadas, tortuosas, podem estar associadas a dor, queimação e sensação de peso nas pernas. O tratamento também pode ser feito com escleroterapia em forma de espuma, que possibilita usar menos medicamento em uma veia maior, ou de maneira cirúrgica, que deve ser feita de forma personalizada, na qual cada paciente tem um tratamento de acordo com a sua clínica.
  • Varizes classe 3 (C3): este estágio se caracteriza quando as varizes estão associadas ao edema “inchaço”.

Progressivamente, o paciente sem acompanhamento e tratamento de varizes pode evoluir para a classe 4 (C4), na qual se inicia a alteração de coloração da pele, principalmente próximo ao tornozelo.

  • Varizes classe 5 (C5): é quando o paciente já apresentou cicatrização da úlcera na perna.

O estágio mais avançado de varizes é o classe 6 (C6), com o surgimento de úlceras e situação de difícil tratamento e cicatrização.

Mitos e verdades

Diversas são as dúvidas e os conceitos mal compreendidos quando falamos de varizes e microvarizes. Para ajudar a entender um pouco mais sobre a doença e suas complicações, perguntamos para a cirurgiã vascular Ana Paula Nudelmann Gubert quais são os principais questionamentos levantados pelos pacientes. Confira o que é mito e o que é verdade, segundo a médica.

  • A musculação causa varizes
  • Mito. Um dos fatores que propiciam o surgimento de varizes é o sedentarismo. Os exercícios físicos ajudam a prevenir. É recomendada qualquer prática de atividade física, pois melhora a circulação sanguínea.

  • Depilação causa varizes
  • Mito. As varizes estão em uma camada mais interna da pele. Portanto, a depilação não implica em problemas na circulação dos vasos.

  • Após a cirurgia de varizes, a pessoa terá a circulação do sangue prejudicada
  • Mito. O tratamento cirúrgico de varizes consiste na remoção da veia, cuja função já está prejudicada. Aquela veia é a causa dos sintomas na perna. Após a cirurgia, o sangue deixa de passar pela veia doente (que foi retirada) e os sintomas podem desaparecer.

  • esmo depois de tratadas, as varizes podem voltar
  • Verdade. O aparecimento de varizes está relacionado muitas vezes a uma predisposição genética. Ao longo do tempo, após o tratamento, novas varizes podem surgir. Por isso, para quem apresenta varizes, é importante manter um acompanhamento contínuo com o médico vascular.

  • Usar salto alto está associado ao surgimento de varizes
  • Mito. Não há estudos científicos que comprovem que o salto alto é causador de varizes. Porém, o uso diário de salto alto por longo tempo pode dificultar o bombeamento do sangue nas pernas, facilitando o surgimento de varizes. Não se deve usar sapatos sem salto também, como chinelos ou sandálias rasteirinhas, para caminhar, pois, além de prejudicar a circulação, faz mal para a coluna.

  • Meias elásticas melhoram a circulação das pernas
  • Verdade. O uso de meias elásticas melhora a circulação venosa, ajudando o retorno venoso e prevenindo o surgimento de inchaço nas pernas.

  • Anticoncepcional causa varizes
  • Verdade. O uso de qualquer medicação hormonal, como anticoncepcionais ou para reposição hormonal, pode influenciar os vasos sanguíneos e afetar a flexibilidade e resistência do vaso à pressão.

  • As varizes podem ser um problema genético
  • Verdade. A hereditariedade é um dos principais fatores do surgimento de varizes. Portanto, o indivíduo que tem na família história de varizes tem grandes chances de apresentá-las ao longo da vida.

  • Mulheres têm mais chances de desenvolver varizes que homens
  • Verdade. Estudos dizem que mulheres costumam ter de duas a três vezes mais varizes que homens devido a fatores hormonais.

Ficou com mais alguma dúvida sobre varizes ou microvarizes? Entre em contato conosco pelo WhatsApp do Instituto Dermatológico de Curitiba e agende uma avaliação com a Dra. Ana Paula.

Home Blog Tratamento

Sarda branca: o que é, como prevenir e como tratar

Postado em: 03 de August

Sarda branca: o que é, como prevenir e como tratar Manchas brancas podem afetar a pele nas áreas expostas ao sol. Tratamento ajuda a renovar a pigmentação do local. A exposição solar em excesso é um dos principais fatores que contribuem para o surgimento de problemas de pele, como a leucoder...

continue lendo

Sarda branca: o que é, como prevenir e como tratar

Manchas brancas podem afetar a pele nas áreas expostas ao sol. Tratamento ajuda a renovar a pigmentação do local. Sarda Branca

A exposição solar em excesso é um dos principais fatores que contribuem para o surgimento de problemas de pele, como a leucodermia gutata, também chamada de leucodermia solar e mais conhecida como sarda branca. Caracterizada por manchas esbranquiçadas, arredondadas e com diâmetro de 2 a 5 mm, a condição surge especialmente nos braços e pernas. De acordo com a médica dermatologista Gisele Moro, do Instituto Dermatológico de Curitiba (IDC), o dano solar é cumulativo e as manchas podem aparecer mesmo muitos anos após a exposição ao sol.

Prevenção

Segundo a especialista, para prevenir o aparecimento da sarda branca, é necessário usar filtro solar regularmente e ficar atento à correta reaplicação e aos horários de exposição ao sol, evitando os momentos de maior incidência dos raios.

Tratamento

A Dra. Gabriele ressalta que antes não existia um tratamento satisfatório para este tipo de mancha, mas hoje já encontramos uma opção que promove bons resultados. “A criocirurgia com nitrogênio líquido e a dermoabrasão eram algumas das opções terapêuticas utilizadas. Entretanto, a eficácia era baixa. Recentemente, surgiu uma técnica inovadora que vem apresentando resultados satisfatórios chamada Microinfusão de Medicamentos na Pele (MMP®). Ela foi desenvolvida e registrada pelo médico dermatologista brasileiro Samir Arbache, consistindo na introdução de medicamentos na pele por meio de uma máquina que possui sistema vibratório e agulhas na ponta”, explica.

Os microfuros permitem que a medicação penetre na profundidade necessária para atingir a área desejada. “O medicamento é infundido em cada mancha, de maneira individual, reduzindo a fibrose da lesão e permitindo o retorno da melanina, resultando na pigmentação da pele. Geralmente são necessárias de uma a duas sessões, dependendo do caso, com intervalo de 30 dias”, esclarece.

Após a aplicação, os pontos ficam bem avermelhados e, com o passar dos dias, forma-se uma espécie de crosta no local do procedimento, que desaparece entre 10 e 15 dias. Os cuidados recomendados depois da realização do tratamento são uso diário de hidratante e filtro solar durante o período de cicatrização, além de evitar a exposição solar. Não é necessário repouso nem afastamento, e o paciente pode retomar suas atividades no mesmo dia.

Sarda branca x vitiligo

É comum confundir as manchas brancas causadas pelo sol com vitiligo, uma doença que se caracteriza pela perda de coloração da pele. Porém, as lesões do vitiligo estão relacionadas à ausência das células responsáveis pela formação da melanina – não à produção insuficiente da substância – e possuem localização e distribuição características, diferentes das sardas.

Tem alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato com a gente pelo WhatsApp do Instituto Dermatológico de Curitiba (IDC). Será um prazer atender você.

Home Blog Alimentação

Fortaleça sua imunidade por meio de uma alimentação saudável

Postado em: 03 de August

Fortaleça sua imunidade por meio de uma alimentação saudável Nutrientes ajudam a fortalecer o organismo, prevenir doenças e garantir mais qualidade de vida A saúde depende de vários fatores, entre eles a alimentação. Cada alimento possui nutrientes essenciais para o organismo e para a imunid...

continue lendo

Fortaleça sua imunidade por meio de uma alimentação saudável

Nutrientes ajudam a fortalecer o organismo, prevenir doenças e garantir mais qualidade de vida Alimentação Saudável

A saúde depende de vários fatores, entre eles a alimentação. Cada alimento possui nutrientes essenciais para o organismo e para a imunidade. Segundo o nutrólogo Paulo de Souza F. Guimarães, do Instituto Dermatológico de Curitiba (IDC), alimentar-se bem não significa apenas ingerir a quantidade de calorias adequada, mas também comer alimentos que ajudam na prevenção de doenças. “Uma alimentação saudável, associada à manutenção do peso corporal e uma rotina de vida ativa e livre do estresse, é fundamental para a melhora do sistema imunológico”, destaca.

A qualidade dos alimentos é extremamente importante quando o assunto é dieta equilibrada. “Deve-se dar ênfase na ingestão de nutrientes e não apenas de calorias”, ressalta Guimarães, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). Frituras, doces e comidas calóricas devem ser evitadas, assim como comer fora do horário ou ficar longos períodos em jejum. O nutrólogo recomenda ingerir um alimento protéico ao menos três vezes por dia, de preferência nas principais refeições, comer frutas e hortaliças de forma regular e frequente e manter-se hidratado – a recomendação é beber no mínimo dois litros de água por dia. “Não é adequado substituir o consumo de água por sucos, mesmo que de frutas naturais ou produtos lácteos, pois são mais calóricos e perdem-se muitos nutrientes e fibras das frutas no preparo”, explica o especialista.

Além de escolher itens de boa qualidade, é importante ficar atento à higiene adequada das frutas, verduras e legumes. Elas devem ser higienizadas corretamente antes do consumo. Os alimentos também devem ser frescos e de boa procedência. Se possível, as compras devem ser realizadas semanalmente.

Alimentação Saudável

Pele exposta ao sol e manchas: cuidado!

O nutrólogo aponta os nutrientes essenciais para manter a imunidade fortalecida:

  • Vitamina C: presente em frutas cítricas, como a laranja (que deve ser consumida in natura com frequência, pois também é uma excelente fonte de fibras que ajudam na saciedade e controle de peso), limão (desintoxicante), kiwi, morango e acerola. A vitamina C também é encontrada em boa quantidade no pimentão amarelo e no brócolis.
  • Vitamina E: é um poderoso antioxidante, extremamente útil na prevenção de doenças. Pode ser encontrada principalmente em sementes e oleaginosas como castanhas, girassol, amendoim, amêndoas e nozes, em vegetais de folhas verdes e na gema do ovo.
  • Vitamina D: além de seus efeitos na saúde óssea, a deficiência desta vitamina está associada a distúrbios do sistema imune. A recomendação é se expor ao sol diariamente e procurar ingerir alimentos como a gema do ovo, queijos e derivados, peixes e frutos do mar.
  • Zinco: é um mineral que participa de várias etapas do sistema imune. A orientação é consumir diariamente alimentos como sementes, castanhas, amendoim, oleaginosas (como feijão), gema de ovo, queijos e derivados e chocolate amargo.
  • Selênio: possui papel antioxidante e é essencial para uma boa imunidade. Presente principalmente na castanha do Pará, também pode ser encontrado na gema do ovo, trigo, frango, arroz e sementes.
  • Probióticos e prebióticos: uma flora intestinal saudável está intimamente ligada à boa resposta imune. O ideal é ingerir alimentos ricos em fibras (prebióticos) e lactobacilos (probióticos) e ter uma hidratação adequada.

“Para o fortalecimento da imunidade é fundamental ter uma alimentação equilibrada e saudável, ingerindo uma quantidade de calorias suficientes para a manutenção das funções orgânicas, numa proporção adequada de proteínas, carboidratos e gorduras, como também um teor adequado de fibras, vitaminas e minerais”, esclarece Guimarães.

Alimentação Saudável

Vilões da imunidade

O nutrólogo enfatiza que gorduras em excesso potencializam os processos inflamatórios, que são prejudiciais para a imunidade. “É recomendado evitar o consumo de frituras e fast food. Os carboidratos de elevado índice glicêmico, ou seja, alimentos com altos teores de açúcar, como doces e massas, também devem ser evitados para que não ocorra o acúmulo de gorduras, sobrecarga hepática e maior incidência de inflamação”, acrescenta.

Quer saber mais sobre o assunto? Entre em contato com nossos especialistas pelo WhatsApp do Instituto Dermatológico de Curitiba.

Home Blog Dermatologia

Botox sem exageros: rosto livre de rugas e com aparência natural

Postado em: 13 de July

Botox sem exageros: rosto livre de rugas e com aparência natural Quando o assunto é tratamento para rugas faciais, a primeira opção solicitada por pacientes é a aplicação da toxina botulínica. Popularmente conhecido como “botox”, o procedimento estético aparece como o segundo mais realizado no mu...

continue lendo

Botox sem exageros: rosto livre de rugas e com aparência natural

Quando o assunto é tratamento para rugas faciais, a primeira opção solicitada por pacientes é a aplicação da toxina botulínica. Popularmente conhecido como “botox”, o procedimento estético aparece como o segundo mais realizado no mundo de acordo com a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética. O Brasil ocupa o segundo lugar entre os países que mais utilizam a toxina, atrás apenas dos Estados Unidos.

Queridinho entre aqueles que procuram um rosto mais jovem, o botox já chegou a ser inimigo da aparência natural. Isso porque, quando aplicado em excesso, pode transformar o rosto e deixá-lo com uma aparência paralisada.

“Sabe aquela expressão congelada, sem movimento, aparentemente sem vida? Esse é um dos principais receios dos pacientes que procuram o tratamento, e a primeira pergunta que me fazem é se vão ficar com a expressão paralisada”, conta a Dra. Carolina Feijó, dermatologista do Instituto Dermatológico de Curitiba (IDC).

Botox no rosto

A resposta da médica dermatologista é taxativa: o resultado vai depender de quem aplica a substância, como realiza o procedimento e o que injeta na pele do paciente. Além, é claro, do equilíbrio entre volume e frequência das aplicações.

“Depois de muitos anos utilizando toxina botulínica para o tratamento de rugas dinâmicas, posso dizer que um bom profissional, com bastante experiência e, sobretudo, bom senso e bom gosto, conseguirá transmitir ao seu paciente que o belo é natural. Por isso, é fundamental tratarmos apenas as áreas de muita contratilidade (as que mexem muito), o que deixará a expressão bastante leve e suave”, defende a dermatologista.

Quando fala de rugas dinâmicas, a Dra. Carolina se refere àquelas que aparecem quando se força a mímica facial em situações como a de fazer caretas, franzir as sobrancelhas ou se proteger do sol.

Para a médica dermatologista, conseguir este efeito natural requer um intenso conhecimento médico da anatomia da face, além de cursos teóricos, teórico-práticos, jornadas, congressos e mais treinamentos, o que é oferecido regularmente a médicos dermatologistas e cirurgiões plásticos.

Botox

“Parece incrível, mas, quanto mais preparado e experiente é o injetor, menos os outros perceberão que foi feito qualquer procedimento. É esse o resultado que os pacientes desejam, é claro”, ressalta.

Expectativa X realidade

Um aspecto determinante no uso de botox para o rejuvenescimento facial apontado pela médica dermatologista Carolina Feijó é a comunicação entre médico e paciente sobre o que se quer e os resultados que os procedimentos podem trazer. A famosa relação entre expectativa e realidade. Na opinião da médica dermatologista, essa troca de informações é fundamental, inclusive para a definição do melhor ou mais adequado tratamento.

“Procuro sempre ressaltar a importância de o paciente expressar claramente a seu médico injetor qual é o seu desejo para que se possa explicar o que é possível para cada caso. Muitas vezes, o leigo tem expectativas irreais quanto ao resultado do botox. Em algumas situações, o médico pode até mesmo indicar outro tratamento para atender a real necessidade”, argumenta.

A questão, muitas vezes polêmica, sobre padrões de beleza também pode ser discutida entre médico e paciente, na opinião da Dra. Carolina. “Tudo o que puder ser bem detalhado traz segurança, confiança e alinhamento entre médico e paciente, e isso é determinante para que o resultado seja consensual”, reforça.

Botox – Toxina Botulínica

Aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 1992, o botox se tornou a primeira toxina botulínica registrada no Brasil. Produzida por uma bactéria chamada Clostridium botulinum, ela é aplicada no músculo facial e provoca o relaxamento da região.

Utilizada para prevenir, retirar ou amenizar as linhas de expressão e rugas do rosto, a toxina botulínica também pode ser direcionada para outras necessidades faciais, como reposicionar a musculatura da face, melhorando a posição das sobrancelhas; produzir o efeito de “abrir o olhar”; reduzir os populares pés-de-galinha; e rejuvenescer a pele do pescoço.

Ficou interessado em saber mais sobre as funções e vantagens da aplicação de botox na pele? Entre em contato pelo WhatsApp do Instituto Dermatológico de Curitiba e agende uma conversa com a Dra. Carolina Feijó. A nossa equipe está à sua disposição.

Home Blog Dermatologia

Dermatite atópica: o que é, quem afeta e como tratar

Postado em: 13 de July

Dermatite atópica: o que é, quem afeta e como tratar Você já ouviu falar de dermatite atópica? Mais comum do que se imagina, é um processo inflamatório crônico da pele que aparece em áreas específicas do corpo, como face, dobras de braços e pernas, joelhos e cotovelos. Segundo a Sociedade Bra...

continue lendo

Dermatite atópica: o que é, quem afeta e como tratar

Dermatite atopica

Você já ouviu falar de dermatite atópica? Mais comum do que se imagina, é um processo inflamatório crônico da pele que aparece em áreas específicas do corpo, como face, dobras de braços e pernas, joelhos e cotovelos. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, cerca de 25% das crianças e 7% da população adulta têm a doença no Brasil.

Caracterizado pela diminuição da barreira de proteção da pele, provocando perda de água e menos hidratação, o eczema atópico deixa, em quem apresenta a condição, a pele mais ressecada e a presença de pontos de lesões avermelhadas espalhadas pelo corpo, acompanhados de coceiras.

Entre as suas possíveis causas estão a predisposição genética e o histórico familiar de atopias, como bronquite, asma e rinite. Entretanto, alguns fatores de risco podem contribuir para o surgimento de crises: poeira domiciliar, produtos de limpeza e usados na lavagem das roupas, tecidos de lã e sintéticos, frio intenso, ambientes secos, calor, transpiração e até mesmo o estresse emocional.

A dermatite atópica deve ser tratada adequadamente assim que diagnosticada, já que a ação auxilia na melhora significativa da qualidade de vida do paciente e da família. “O tratamento deve ser definido de acordo com a gravidade da dermatite. Casos leves, por exemplo, são tratados com hidratantes e cremes específicos. Já nos quadros graves, pode ser necessário medicamento via oral”, explica a médica dermatologista do Instituto Dermatológico de Curitiba (IDC) Amanda Hertz.

Segundo ela, cuidados gerais com a pele são o primeiro passo para amenizar a manifestação dos sintomas. Como são originados do ressecamento, é necessário priorizar banhos rápidos e não muito quentes, com pouco sabonete e aplicação de cremes hidratantes. “Quando se percebe a necessidade de medicamentos, podemos indicar corticoides de uso tópico – inibidores da calcineurina em cremes com ação semelhante aos corticoides com menos efeitos colaterais – e, em casos graves, imunossupressores”, detalha.

E há como evitar a dermatite atópica?

Ainda de acordo com Amanda Hertz, existem estudos que relatam o uso de hidratantes específicos para crianças, a partir do primeiro mês de vida, como forma de evitar a doença em famílias que já apresentam a condição. Porém, a prevenção deve ser orientada caso a caso por um médico dermatologista, ressalta ela.

Alguns hábitos diários também são recomendados, como já citados aqui: banhos mornos e rápidos, uso de pouco sabonete e aplicação de hidratantes, além de manter os ambientes limpos e arejados.

Doenças diversas

Conheça a diferença entre dermatite atópica e duas doenças que provocam dúvidas em pacientes:

Dermatite atópica X dermatite de contato

São consideradas doenças diferentes da dermatologia. A dermatite atópica é uma doença de pele que acomete principalmente crianças, tem um fator genético importante e quadro clínico específico. Já a dermatite de contato pode ser alérgica ou por contato com substâncias irritativas – tendo como exemplo lesões nas mãos por contato com produtos de limpeza.

Dermatite atópica X psoríase

Também considerados problemas de saúde diversos, a dermatite tem como principal característica a coceira e lesões específicas em áreas de dobras dos braços e pernas, acometendo principalmente crianças. Já a psoríase é mais rara em crianças e, em geral, não é tão pruriginosa, se manifestando em couro cabeludo, joelhos e cotovelos. As lesões de pele devem ser avaliadas por um médico dermatologista para o diagnóstico correto e o melhor tratamento.

Identificou alguns dos sintomas em você ou conhece alguém que precise de tratamento para dermatite atópica? Entre em contato com a equipe pelo WhatsApp do Instituto Dermatológico de Curitiba e agende uma conversa com a Dra. Amanda.

Home Blog Corpo

Lipoaspiração: diversas técnicas para remodelar o corpo

Postado em: 12 de June

Lipoaspiração: diversas técnicas para remodelar o corpo o lado da prótese mamária de silicone e da abdominoplastia, a lipoaspiração aparece como um dos procedimentos estéticos mais procurados no Brasil. Considerando que, em 2018, de acordo com estimativa apresentada pelo censo bianual da Sociedad...

continue lendo

Lipoaspiração: diversas técnicas para remodelar o corpo

o lado da prótese mamária de silicone e da abdominoplastia, a lipoaspiração aparece como um dos procedimentos estéticos mais procurados no Brasil. Considerando que, em 2018, de acordo com estimativa apresentada pelo censo bianual da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), cerca de 1,7 milhão de operações estéticas foram realizadas no país, o índice de procura é muito alto.

Lipoaspiração

O dado significativo torna o Brasil líder no ranking mundial dos países que mais realizam intervenções deste tipo, como já publicamos aqui no blog.

Indicada para quem deseja perder medidas e melhorar o contorno do corpo – e não para reduzir peso, como erroneamente é escolhida –, a lipoaspiração pode ser feita por meio de diversas técnicas: a lipoaspiração tradicional, a vibrolipoaspiração, a lipolaser e, a mais recente, chamada de lipoaspiração HD.

Lipoaspiração

“As duas primeiras são as mais procuradas até hoje. Todas têm procedimentos e cuidados parecidos, além de resultados satisfatórios quando realizadas por médicos especialistas e habilitados para a função e respeitadas as recomendações”, ressalta Gerson Postai, médico cirurgião plástico do Instituto Dermatológico de Curitiba (IDC).

Segundo o cirurgião, não há contraindicações para nenhuma das técnicas, mas a cirurgia pode ser autorizada apenas após a avaliação do resultado de uma bateria de exames médicos preparatórios, a consulta prévia para confirmar possíveis problemas de saúde – se há algum, se está controlado – e a análise sobre o uso de medicamentos contínuos. “Esses são alguns cuidados básicos, mas fundamentais, para se autorizar a lipoaspiração”, explica.

Em relação à faixa etária mínima e máxima, o cirurgião ressalta a atenção necessária para adolescentes e jovens, grupo que tem aumentado a procura por procedimentos estéticos, e para pessoas com idade avançada. “Não há contraindicação em relação à idade, porém, adolescentes e idosos devem ser avaliados individualmente. Os primeiros pela decisão às vezes precipitada em escolher a cirurgia, e o segundo grupo pelo quadro de saúde que pode estar comprometido e outros aspectos a serem analisados”, opina.

Lipoaspiração

Já para pacientes muito acima do peso, com diagnóstico de obesidade, a lipoaspiração não é o procedimento mais indicado nem adequado, visto que sua principal função não é reduzir peso nem gordura de forma geral, e sim localizada.

Outro fator importante destacado pelo médico do IDC diz respeito aos profissionais habilitados para realizar procedimentos estéticos como a lipoaspiração e ao local adequado para isso. Ele é taxativo: “Exclusivamente os cirurgiões plásticos estão credenciados e habilitados a realizarem a lipoaspiração, que deve ser feita somente em hospital ou clínica com estrutura hospitalar adequada e com a presença de um médico anestesista”.

Para auxiliar o paciente, o médico recomenda que se faça uma busca e pesquisa no Conselho Regional de Medicina (CRM-PR) sobre o cirurgião plástico que realizará o procedimento, confirmando seu registro de especialista e outras informações necessárias.

Quer saber mais sobre as técnicas de lipoaspiração disponíveis aqui no IDC? Entre em contato pelo WhatsApp do Instituto Dermatológico de Curitiba com a nossa equipe para agendar uma avaliação com o Dr. Gerson. Conte conosco sempre que precisar!

Veja outras matérias