Home Blog Dermatologia

Fios de sustentação: como é o procedimento?

Postado em: 20 de setembro

A aplicação de fios de sustentação não é um procedimento novo, a tecnologia já acompanha a medicina dermatológica há algum tempo, os fios atuais são mais modernos e totalmente biodegradáveis. Conhecidos como polímeros, essas estruturas são hastes que acompanham elementos como cones, ganchos ou espíc...

continue lendo

A aplicação de fios de sustentação não é um procedimento novo, a tecnologia já acompanha a medicina dermatológica há algum tempo, os fios atuais são mais modernos e totalmente biodegradáveis. Conhecidos como polímeros, essas estruturas são hastes que acompanham elementos como cones, ganchos ou espículas que atuam na ancoragem dos fios no subcutâneo ou musculatura superficial da face, para que estes possam ser tracionados e direcionar a pele na posição superior e posterior, afim de deixá-los no local adequado.

Os fios de sustentação podem ser feitos de vários materiais, como o ácido láctico ou ter a mesma composição dos fios de sutura absorvíveis. Os fios apresentam tamanhos e objetivos diferentes. Alguns deles têm um potencial maior de tração e sustentação, enquanto outros podem dispor de menor potencial de tração, mas propiciam o estímulo biológico da região tratada, a partir da produção de colágeno posterior a sua absorção pelo organismo.

A indicação do procedimento precisa ser feita em consultório, sob avalição médica. O médico especialista vai avaliar quais tipos de fios de sustentação são melhores indicados para cada paciente.

O procedimento de implantação dos fios de sustentação é feito no próprio consultório médico, e a sua intensidade dolorosa é considerada moderada, podendo ser feito mediante sedação ou anestesia tópica e local. Para evitar a contaminação no local, é precisar adotar técnicas de assepsia e esterilização antes de iniciar o procedimento.

Assim como qualquer procedimento dermatológico, os fios de sustentação faciais têm contraindicações relativas e absolutas. Pacientes com infecções, processos inflamatórios ou sob tratamentos radioterápicos, medicações contra neoplasias ou gestantes devem evitar a aplicação dos fios. Quanto as contraindicações relativas, elas contemplam os casos de flacidez avançada, já que as hastes podem não trazer um resultado desejado ao paciente.

O resultado do procedimento de fios de sustentação não tem como objetivo a substituição de uma cirurgia plástica. É possível prolongar os resultados de uma cirurgia com a aplicação das hastes. Os fios de sustentação não impedem a realização de qualquer outro procedimento cirúrgico em que foram aplicados.

;